imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

SANGUE DO MEU SANGUE

Mafalda Maria Martins1, Helena Afonso1, Pedro Dias1, Rita Ganhoto1

1- Área de Psiquiatria da Infância e Adolescência, Hospital de Dona Estefânia, CHLC, EPE, Lisboa;

- XXV Encontro Nacional de Psiquiatria da Infância e da Adolescência Tema : “Entre o corpo e o pensamento” de 14 a 16 de Maio de 2014 ( Comunicação Oral)

Resumo:

Introdução: Na maioria dos casos de perturbação obsessiva-compulsiva (POC) os sintomas iniciam-se antes dos 18 anos. Existe ainda um grupo de perturbações que parece representar um continuum clínico e partilhar mecanismos genéticos e fisiopatológicos com a POC-as perturbações do espectro obsessivo-compulsivo. Estas incluem a POC, perturbação dismórfica corporal (PDC), perturbações de tiques, tricotilomania e perturbações de controlo de impulsos. Este trabalho aborda um caso clínico cujo diagnóstico nosológico ilustra um funcionamento obsessivo aliado a uma preocupação exagerada com certos aspectos corporais .

Caso Clínico: M. 12 anos e 6 meses, sexo feminino, 8ºano de escolaridade. Família monoparental reside com a mãe (Graffar adaptado: 3). Foi referenciada à consulta de Pedopsiquiatria através do Serviço de Urgência de Pedopsiquiatria ao qual recorreu por restrição alimentar, auto-mutilações (corta-se para ver o sangue escorrer) referindo sentir-se feia e gorda.

Antecedentes Pessoais: já durante o seguimento pedopsiquiátrico teve uma síncope num dia em que optou por não almoçar. Antecedentes Familiares: Mãe “deprimida” e descrita como obsessiva com anemia por perdas hemáticas abundantes resultantes de um mioma uterino, pai com doença bipolar e consumos de substâncias psicoactivas que presumivelmente terá cometido suicídio, avô materno esquizofrénico com uma tentativa de suicídio e meia-irmã com perturbação obsessiva-compulsiva e uma tentativa de suicídio. A M. foi seguida regularmente em consultas de Pedopsiquiatria e no sentido de trabalhar a função materna a mãe foi encaminhada para outro pedopsiquiatra da mesma equipa. O seguimento da M. foi complementado com intervenção farmacológica.

Conclusão: A identificação de indivíduos de risco para perturbações do espectro obsessivo-compulsivo é necessária para elaborar estratégias preventivas sendo que a transmissão psíquica geracional na família complementa a dinâmica intrapsíquica do indivíduo.

Palavras Chave: perturbação obsessiva-compulsiva(POC), perturbação dismórfica corporal (PDC) , transmissão psíquica geracional.