imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

ATIVIDADES EXTRACURRICULARES E OUTRAS OCUPAÇÕES DE TEMPO LIVRE EM ADOLESCENTES - UM MODELO PARA INVESTIGAÇÃO FUNDAMENTADO POR GRUPOS FOCAIS.

Ana Laura Fitas1; Paula Cristina Freitas Esteves da Silva2; Daniel Virella2-3

1 - Área de Pediatria Médica, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE, Lisboa.
2 - Unidade de Saúde Familiar das Conchas – Lisboa.
3 - Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, Área de Pediatria Médica, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE, Lisboa.
4 - Centro de Investigação do Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE, Lisboa.

Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 32-38, jan/mar 2014 (publicação)

Objetivo: Explorar a área temática "ocupação de tempo livre" em adolescentes, identificando conceitos, semântica e organizações de conteúdo emergentes. Através da sua operacionalização pretende-se fundamentar a validade de conteúdo de inquéritos escritos sobre a prática de atividades extracurriculares e restante ocupação de tempo livre. Métodos: Estudo qualitativo efetuado em duas escolas urbanas, com adolescentes do 8º e 9ºanos de escolaridade. Abordagem semiestruturada com realização de três grupos focais (metodologia de Krueger), dois com separação de géneros e um misto, com 4 a 8 adolescentes, duração de 45 a 60 minutos, com moderador e comoderador. Foi feita gravação de som e transcrição textual para análise sistemática de conteúdo. Resultados: Participaram 18 adolescentes de idades entre 13 e 14 anos, sendo 12 do sexo feminino. Os principais temas-chave emergentes organizaram-se nas áreas de: (1) conceito de atividade extracurricular, (2) relatividade da noção de tempo livre e (3) sistematização de formas de ocupação de tempo livre. Identificaram-se três binómios de sistematização, quanto ao grau de organização, local e natureza das atividades: formais versus informais; na escola versus fora da escola; e físicas versus sedentárias. Conclusão: A coleta de informação sistematizada de acordo com a organização proposta pode ser um instrumento útil, em contexto de investigação, para a otimizar a pesquisa por autopreenchimento sobre a prática de atividades extracurriculares e restante ocupação de tempo livre.

Palavras Chave: