imagem top

2018

ANUÁRIO DO HOSPITAL DONA ESTEFÂNIA
REPOSITÓRIO MÉDICO CIENTÍFICO

logo chlclogo HDElogo anuario

SÍNDROME HIPOTÓNICO-HIPORRESPONSIVO PÓS-VACINAÇÃO

Cátia Alves1, Ana Margarida Romeira1, Paula Leiria Pinto1

1 - Serviço de Imunoalergologia, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE, Lisboa

- XXXVI Reunião anual da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica - Poster

Introdução: O síndrome hipotónico-hiporresponsivo (SHH) caracteriza-se pela súbita diminuição do tónus muscular com hiporresponsividade e alteração da coloração cutânea (palidez ou cianose). Os sintomas podem iniciar-se imediatamente ou até 48h após a imunização e habitualmente duram 6 a 30 minutos. Não estando descritos eventos fatais.
Caso clínico: Menina de 2 anos, referenciada com 5 meses à consulta de Imunoalergologia por suspeita de reacção anafiláctica à Pentavac® (vacina pentavalente – DPT, VIP, Hib)/ Prevenar® (vacina pneumocócica 13-valente – Pn13). Cumpriu o Plano Nacional de Vacinação (PNV) em vigor: nascença, BCG e 1ª dose contra hepatite B (VHB);2 meses, 1ª dose da pentavalente (Ptv) e 2ª da VHB e, extra plano, 1ª dose da vacina contra rotavírus, sem intercorrências. Aos 4 meses, cerca de 6 minutos após a administração da vacina Ptv e Pn 13, iniciou quadro de palidez cutânea acentuada, interrupção do choro, cianose labial, hipotonia e paragem respiratória. O quadro reverteu em poucos minutos após massagem cardíaca, administração de adrenalina, hidrocortisona e oxigenoterapia. Permaneceu em vigilância em SO sem novos sintomas. Foi observada, posteriormente, em consulta de Cardiologia, sendo excluída patologia cardíaca. Na consulta de Imunoalergologia, fez testes cutâneos por picada com a vacina Ptv e Pn 13 na diluição de 1/10 e puro e intradérmicos na diluição de 1/100, que foram negativos. Posteriormente, fez administração da 3ª dose da Ptv, na Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos, sem intercorrências. Os pais recusaram a administração da 2ª dose da Pn 13. Retomou o PNV, tendo já feito 3ª dose da VHB, 1ª dose da VASPR, vacina da Meningite C e Infarix Hib (DPT, Hib) sem reacções adversas. As administrações foram realizadas no local habitual, sem necessidade de vigilância adicional.
Discussão: Na literatura, o SHH foi descrito após a vacinação para difteria, tétano, Hib, VHB e Pn 13. É um síndrome raro, benigno e auto-limitado que deve ser considerado como uma precaução e não como uma contra-indicação para futuras vacinações. As administrações posteriores, quer da vacina implicada quer das restantes, decorrem sem intercorrências. Devem ser considerados outros diagnósticos diferenciais (episódios sincopais, patologia cardíaca, anafilaxia, …), sobretudo nas crianças mais velhas. É importante considerar este diagnóstico perante uma criança com diminuição do tónus muscular, hiporresponsividade e alteração da coloração cutânea após vacinação.

 Palavras Chave: vacinação; síndrome hipotónico-hiporresponsivo