imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

A EQUAÇÃO DE SLAUGHTER SOBRESTIMA A MASSA GORDA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES OBESOS

THE SLAUGHTER EQUATION OVERESTIMATES THE FAT MASS IN OBESE CHILDREN AND ADOLESCENTS

Marco Pereira1, Mónica Dias2, Laura Pereira1, Ana Catarina Moreira1, Luis Pereira Silva2, Lino Mendes1.

E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
1 - Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa;
2 - Laboratório de Nutrição do Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE. Lisboa.

-    16º Congresso Português de Obesidade. Lisboa, 10/11/2012 (Comunicação livre)

Introdução: A obesidade, definida pelo excesso de adiposidade, é frequentemente estimada pelas pregas cutâneas por ser um método não-invasivo e pouco oneroso. A fiabilidade da medida isolada das pregas cutâneas na avaliação da massa gorda (MG) tem sido questionada. Para melhorar a sua capacidade preditiva, foram propostas as equações de Slaughter (EqSlg), baseadas no somatório de pregas cutâneas. A pletismografia de deslocação de ar (PDA) é um método não-invasivo fiável, recentemente validado para medição da composição corporal. Neste estudo pretendeu-se comparar a avaliação da MG pela EqSlg com a percentagem de MG (%MG) medida por PDA, considerada método de referência.

Métodos: Estudo transversal analítico, baseado numa amostra de conveniência de 62 crianças e adolescentes (masculino 22) obesos admitidos consecutivamente na consulta de obesidade dum hospital pediátrico. A obesidade foi definida pelo índice de massa corporal (IMC) (Cole 2000). A %MG foi medida por PDA (Bod Pod®, Cosmed) e estimada pela EqSlg baseada nas pregas cutâneas tricipital (PT) e subescapular (PS): masculino =0,783.(PT+PS)+1,6; feminino =0,546.(PT+PS)+9,7. Foram utilizados o teste t-student para determinar o nível de significância (p<0,05) e o de Bland Altman para o factor de correlação e os limites de concordância.

Resultados: A idade média (±DP) foi de 11,76±3,24 anos e o IMC de 28±4,29 kg/m2. A %MG medida por PDA foi de 41,5%±4,82% e a estimada pela equação de EqSlg de 43,9%±7,10%, com coeficiente de correlação de r=0,53 (0,33-0,66, IC 95%, p=0,029). A EqSlg sobrestimou a %MG em 1,7%, com limites de concordância de 12,2%.

Conclusão: Em crianças e adolescentes com obesidade, a MG avaliada pela EqSlg sobrestima as medidas por PDA, com limites de concordância muito amplos, pelo que a sua utilização não parece aconselhada nesta população.