imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO RECÉM-NASCIDO E PEQUENO LACTENTE

NUTRITION ASSESSMENT OF THE NEONATE AND SMALL INFANT

Luis Pereira Silva. E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, E.P.E.

- Sessão de formação no ciclo de estudos especiais de neonatologia da Maternidade Dr. Alfredo da Costa. Lisboa, 30/1/2012.
- Sessão no curso Nutrição do Recém-Nascido Pré-termo, satélite das XLI Jornadas Nacionais da Neonatologia. Braga, 12/5/2012
- Sessão de formação no Curso Básico de Nutrição Pediátrica para Internos de Pediatria, organizado pela Nestlé Nutrition Institute, 3ª edição, Torres Vedras, 4/6/2012.

O estado de nutrição do recém-nascido pode ser avaliado por parâmetros clínicos, bioquímicos, de composição corporal e por calorimetria indireta.
Os parâmetros clínicos assentam sobretudo na antropometria, por ser um método simples, económico e praticável à cabeceira do doente. No entanto, a sua fiabilidade fica aquém do desejado. As medidas directas mais utilizadas são o peso, o comprimento, o perímetro cefálico, o perímetro braquial e as pregas cutâneas. Certas medidas calculadas, ao associarem medidas directas, podem ser mais informativas: índice ponderal, rácio perímetro cefálico/ perímetro braquial e áreas da secção transversal do braço.
Os parâmetros bioquímicos ao serem influenciados por múltiplos factores têm limitações, nomeadamente no recém-nascido pré-termo. O azoto ureico (BUN), a pré-albumina e a proteína de ligação ao retinol podem ser usados como marcadores proteicos; a fosforémia, a calcémia, a fosfatase alcalina e parâmetros de excreção urinária de cálcio e fósforo, como marcadores ósseos; e o hemograma, constantes globulares, a ferritina e a transferrina como marcadores do estado de nutrição marcial e em ácido fólico.
Existem métodos não invasivos, fiáveis e validados no recém-nascido de avaliação da composição corporal. A ressonância magnética é considerada gold standard na medição do tecido adiposo, pela grande precisão e possibilidade da volumetria regional, mas requerer quietude/ sedação. A absorciometria bifotónica (DEXA) além de medir a massa gorda e a massa isenta de gordura, avalia o conteúdo mineral ósseo, sendo rápido e não requerendo sedação. A pletismografia por deslocação de ar (Pea Pod®) é um método recentemente validado e rápido, permitindo os movimentos. Quaisquer dos métodos atrás referidos são dispendiosos e requerem a deslocação do indivíduo para o interior do equipamento. A análise por bioimpedância eléctrica é conveniente, rápido, permite os movimentos, sendo o equipamento portátil e relativamente económico; no entanto, ainda não está validado em recém-nascidos e pequenos lactentes.
A calorimetria indireta permite a medição do gasto energético em repouso e do quociente respiratório, podendo contribuir para orientar o suprimento energético e de macronutrientes. Por ser um método influenciado por muitos fatores, porventura pouco prático, está geralmente confinado à investigação.

Palavras-chave: