imagem top

2021

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34

RINOPLASTIAS: ANÁLISE ESTÉTICA FACIAL

José Colaço, Diogo Oliveira e Carmo

Congresso anual de otorrinolaringologia e cirurgia cervico-facial, Porto , Maio 2013

Objetivo: Analise estética facial aplicada às rinoplastias realizadas no Hospital Cuf Infante Santo realizadas no período de x a x anos.
Introdução: Desde cedo a estética facial é um tema de preocupação pelo homem. No entanto o conceito de estética é influenciado pelo: género, raça, educação, época, valores e sociedade, tendo algum grau de subjectividade. Apesar disso,  existem referências objectivas que seguem um padrão de simétra que quando respeitadas acabam por proporcionar a sensação de beleza ao observador. Estes pontos objectivos de análise estética podem ser aplicados na face.
Métodos: Análise comparativa de x doentes submetidos a rinoplastias no Hospital Cuf Infante Santo no período de x anos. Todos os doentes foram fotografados no período pré e pós-operatório. De cada doente foram recolhidas 4 fotografias: perfil ou lateral, frente, obliquo e base.
Resultados: Na análise da estética facial foram comtemplados as 3 subunidades da face num plano horizontal e as 5 unidades da face num plano vertical. O nariz, encontra-se no terço medio da face. No plano lateral foi analisada: a sua origem, ângulo nasofrontal e nasolabial e nasofacial e  nasomentoneano, projecção, columela e porção alar. Na observação de frente: orientação, tamanho, origem, simetria assim como a é analisada a ponta nasal. No plano obliquo: analisa-se as linhas de sheen, porção alar e ponta nasal. Na observação da base: analisa-se a simetria da base do nariz, tamanho e largura das narinas e ponta nasal.
Devido ao facto de o nariz ter se encontrar numa posição central e ser um importante ponto da estética facial é de extrema importância a relaciona-lo com as outras estruturas faciais nomeadamente as sobrancelhas, queixo e lábios.
Para a correta abordagem cirúrgica estética do nariz é necessária uma meticulosa observação assim o apoio de: exames complementares de diagnóstico, nomeadamente as reconstruções tridimensionais da TC facial privilegiando a parte nasal. Desta forma é possível observar a constituição interior nasal e tecidos subcutâneos que provocam as alterações exteriores nasais.
Conclusão: A analise objetiva facial estética do doente permite detectar irregularidades que comprometam a estética da face, neste caso o nariz apresenta uma posição predominante.
Com o recurso a uma observação cuidada, juntamente com a reconstrução tridimensional da TC é possível uma correta abordagem cirúrgica, tendo como final não só um nariz esteticamente mais harmonioso assim como funcional. Deve-se ainda sempre ter em conta todo o enquadramento sociocultural do individuo.