imagem top

2021

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34

PROBLEMAS DE SONO NA ADOLESCÊNCIA - Contributos para a validação de questionários de sono para adolescentes portugueses.

Cátia Milheiro1, Ana Teresa Prata1, Paula Vilariça2

1- Interna de Pedopsiquiatria, Clínica da Juventude, Área de Pedopsiquiatria, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central EPE, Lisboa
2- Assistente Hospitalar de Pedopsiquiatria, Clínica da Juventude, Área de Pedopsiquiatria, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central EPE, Lisboa
Morada para correspondência: Clínica da Juventude, Avenida do Brasil, 53, 1700 Lisboa.

Divulgação científica: XXIV Encontro Nacional de Psiquiatria da Infância e da Adolescência 2013, XIV Congresso Nacional de Pediatria 2013 (apresentação oral), XXI Encontro do Núcleo de Estudos de Suicídio 2013

Introdução: As perturbações de sono isoladas são raras em adolescentes. Habitualmente surgem associadas a perturbações mentais. A população pedopsiquiátrica tem risco acrescido de problemas de sono. Em Portugal, a avaliação do sono em adolescentes está pouco sistematizada. Não existem instrumentos validados para a caracterização do sono em adolescentes portugueses.
Objetivo: Comparar a prevalência dos problemas de sono numa amostra de adolescentes da consulta de pedopsiquiatria e de um grupo controlo.
todos: Revisão da literatura e seleção de questionários de avaliação do sono. Seleção da amostra clínica da consulta de Pedopsiquiatria, por método de conveniência e do grupo controlo  (amostra  escolar).  Aplicação  dos  questionários  de  sono  e  do  Strengths  and difficulties questionnaire (avaliação do funcionamento global). Análise descritiva dos dados e comparação entre grupos com T-test (CI 95, p<0,05).
Resultados: Amostra clínica (n=55) e amostra escolar (n=52) emparelhadas por idade (média 16 anos). O questionário de problemas de sono preenchido pelos pais e o índice de insónia de auto-preenchimento discriminaram os dois grupos, com maior prevalência de problemas de sono na amostra clínica. O questionário de qualidade de sono apresentou limitações em algumas sub-escalas. Os problemas ligeiros de sono, de elevada prevalência em ambas as amostras, não foram identificados pelos pais.
Conclusões:  Os  adolescentes  com  psicopatologia  têm  mais  problemas  de  sono.  Os problemas de sono ligeiros podem não ter significado clínico na adolescência. Este estudo aponta para a validade do questionário de Problemas de Sono e do Índice de Insónia na população adolescente portuguesa.

Palavras-chave:  problemas  de  sono,  adolescência,  co-morbilidades  pedopsiquiátricas, questionários de sono