imagem top

2020

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

Abordagem Anestésica da Enterocolite Necrotizante

André Rato

Serviço de Anestesiologia, Hospital de Dona Estefânia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, E.P.E.

- Sessão de formação no Serviço de Anestesiologia do Hospital de Dona Estefânia. Lisboa, 11/2013 (comunicação oral)

A enterocolite necrotizante éuma doença neonatal fulminante caracterizada por necrose intestinal. A sua etiologia émal conhecida, embora esteja possivelmente associada a manobras de reanimação neonatais em recém nascidos que são, frequente, de muito baixo peso ànascença. Tem uma incidência de 0,5 a 5 por mil nascimentos, mas entre as admissões na UCIN esta sobe para 1 a 5%. A doença caracteriza-se pelo desenvolvimento de intolerância alimentar, distensão abdominal, diarreia, letargia e sintomas respiratórios e hemodinâmicos, usualmenteapós a primeira ingestão entérica. Estas manifestações podem ser acompanhadas de sinais analíticos e imagiológicos sugestivos, embora inespecíficos. O tratamento de primeira linha é actualmente médico, com internamento em UCIN, realização de descompressão intestinal e antibioterapia empírica, para além medidas de suporte cardiovascular, respiratório e hematológico. Cerca de 20 a 40% dos casos, requerem tratamento cirúrgico que consiste usualmente em resseção intestinal e enterostomia. Do ponto de vista anestesiológico, éimportante a manutenção dos cuidados intistuídos e a estabilização destes doentes em contexto dinâmico de cirurgia de grande exposição. De facto, às particularidades anatomofisiológicas e farmacocinéticas, somam-se as da precocidade, da imaturidade orgânica e as alterações condicionadas pelo quadro clínico e abordagem cirúrgica. Por fim, existem algumas considerações éticas e deontológicas importantes em relação àinstituição de medidas de suporte avançadode vida que devem, sempre que necessário, ser discutidas com a equipa cirúrgica, da UCIN e com os pais.