imagem top

2020

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

DIETA CETOGÉNICA: SUCESSO NO CONTROLO DE CRISES DE EPILEPSIA REFRATÁRIA

Mónica Pita Grós Dias1, Carolina Pinto1,2, Ana Catarina Moreira2,3, Ana Isabel Dias4

1 - Serviço de Dietética, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa
2 - Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, Lisboa
3 - H&TRC – Centro de Investigação e Saúde e Tecnologia
4 - Serviço de Neurologia Pediátrica, Área da Mulher, Adolescente e Criança, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa

- Poster no 31º Encontro Nacional de Epileptologia
- Porto, 8-9 de Março 2019

Introdução: Cerca de 25 a 30 % das epilepsias são refratárias à terapêutica farmacológica. A dieta cetogénica é uma dieta em que aproximadamente 90% do valor energético provém de lípidos e revelou ser uma opção terapêutica, pois tem um efeito anticonvulsivante. Cerca de 50-60% dos doentes com dieta cetogénica podem experienciar redução superior a 50% da frequência das crises ou, inclusive, a sua eliminação.
Caso Clínico: Doente do sexo masculino, com 10 anos, diagnosticado com epilepsia refratária aos 3 anos (Síndrome de ponta-onda contínua do sono). Aos 7 anos foi internado no Serviço de Neuropediatria do Hospital Dona Estefânia para controlo de um quadro de 30-40 crises por dia tendo já feito vários antiepilépticos em diversas associações, na altura em politerapia tripla. Durante o internamento foi implementada dieta cetogénica clássica de rácio 4:1 atingido cetonemia sem hipoglicemias. Apresentou boa adesão à dieta, ficando sem crises cerca de dois meses depois e com melhor desempenho escolar. Após um ano, reajusta-se a dieta para rácio 3:1, mantendo o controlo de cetonemia e glicemia. Verificou-se melhoria do estado nutricional, com evolução do IMC do Percentil 3 a 15 para Percentil 15 a 25. Em junho de 2018, com 9 anos, o EEG revelou electrogénese de base bem estruturada, sem evidência de actividade epiléptica, focal ou generalizada. Em outubro do mesmo ano inicia desmame da dieta cetogénica, mantendo-se sem crises e com bom estado nutricional.
Conclusões: Neste doente, a ausência de crises por um período de 3 anos após implementação de dieta cetogénica, é um exemplo do sucesso desta opção terapêutica no controlo de crises na epilepsia refratária.

Palavras Chave: Dieta cetogénica; Epilepsia refractária;