imagem top

2020

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

A PRAGA – UM CASO DE DELÍRIO PARTILHADO DE INFESTAÇÃO

Carolina Sereijo1, Rodrigo Santos1, Maria João Gonçalves1, Rodrigo Saraiva1, Lígia Castanheira1, Rita Amaro2, Rita Barandas3

1- Psiquiatria, Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte, Lisboa.
2- Psiquiatria da Infância e da Adolescência, Área da Mulher, Criança e Adolescente, Hospital Dona Estefânia, Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Lisboa.
3- Psiquiatria, Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte, Lisboa.

- Congresso nacional: comunicação oral apresentada no Congresso Nacional de Psiquiatria, Tróia.

Introdução: O delírio partilhado ou folie à deux é uma doença psiquiátrica rara cuja característica essencial é a partilha de ideias delirantes entre indivíduos com relações interpessoais próximas. A sua prevalência pode ocorrer em até 25% de doentes com delírio de infestação (DI). O DI é caracterizado pela crença inabalável que o corpo e/ou ambiente está infestado por patogéneos, vivos ou inanimados, apesar da inexistência de evidência para tal. A maioria dos doentes descreve ainda várias sensações tácteis e/ou prurido. O objetivo deste trabalho é apresentar um caso clínico de ideação delirante persecutória de infestação partilhada e as suas implicações clínicas.
Relato de Caso: Descreve-se o caso clínico de duas doentes, mãe e filha, de 77 anos e 55 anos, que viviam juntas e isoladas da restante sociedade. Ambas as apresentavam um quadro de ideação delirante persecutório de infestação complexo e estruturado, com elevado dinamismo e impacto funcional significativo. O diagnóstico atribuído à filha foi de esquizofrenia de início tardio e para a mãe de demência frontotemporal ligeira que predisponha a um quadro de folie à deux. Este quadro não remitiu durante o internamento em enfermarias separadas ou com o tratamento antipsicótico. Após a alta hospitalar e regresso de ambas à habitação houve remissão do quadro e crítica parcial para a condição clínica.
Conclusão: A alta prevalência de quadros de perturbação psicótica induzida com delírio de infestação pode dever-se ao fato do conteúdo desse tipo de delírio ser, em muitas ocasiões, verossímil. A folie à deux permanece um desafio intrigante em psiquiatria sobretudo no que se refere à sua fisiopatologia e abordagem terapêutica. 

Palavras Chave: Folie à Deux, Delírio de Infestação, Psicose