imagem top

2019

ANUÁRIO DO HOSPITAL
DONA ESTEFÂNIA

CHULC LOGOlogo HDElogo anuario

ANÁLISE RESTROSPECTIVA DE CRIANÇAS INTERNADAS POR INFECÇÃO RESPIRATÓRIA.

João Antunes1, Marta Chambel1, Luis Miguel Borrego1, Sara Prates1, Virginia Loureiro2.

1 – Serviço Imunoalergologia, Dona Estefânia, Centro Hospitalar Lisboa Central, E.P.E.; 2 - Laboratório de Imunologia, Dona Estefânia, Centro Hospitalar Lisboa Central, E.P.E.

- 33ª Reunião Anual SPAIC, Fátima, 5 a 7 Outubro de 2012 (Comunicação Oral).

Introdução: Os vírus respiratórios são uma importante causa de morbilidade e constituem a principal causa de dificuldade respiratória na infância. Os agentes mais frequentes são o Vírus Sincicial Respiratório (VSR) e Rinovirus (RV). Outras agentes menos comuns incluem os vírus Influenza, Parainfluenza, Adenovirus e os mais recentemente identificados Coronavirus, Metapneumovirus e Bocavirus humano. O objectivo do estudo foi caracterizar as infecções por vírus respiratórios numa amostra de crianças internadas.

Métodos: Foi feita uma análise retrospectiva dos processos clínicos de crianças internadas por infecção respiratória com pesquisa de vírus nas secreções, entre 1 de Outubro de 2010 e 15 de Fevereiro de 2012, abaixo dos 5 anos de idade.

Resultados: Foram incluídas 605 crianças e a pesquisa de vírus respiratórios por imunofluorescência directa foi positiva em 258 crianças (42.6%): VSR (n=231, 89.5%), Metapneumovírus (n=8), Influenza A (n=7), Parainfluenza (n=5), Adenovírus (n=2) e 5 casos de co-infecção. O maior número de casos positivos ocorreu entre Dezembro 2010 e Janeiro 2011 (n=104, 40.3% do total de casos positivos) e Dezembro 2011 e Janeiro 2012 (n=69, 26.7% do total de casos positivos). Na admissão, 422 crianças apresentavam dificuldade respiratória (69.8%), com tiragem e sibilos. A infecção por VSR foi mais frequente em crianças abaixo dos 6 meses (50.6%, p<0.0001) e associou-se de forma estatisticamente significativa a dificuldade respiratória (em 88.7% das crianças com infecção por VSR, p<0.0001), hipoxémia (presente em 16.6% das crianças com VSR e em 10.5% das crianças sem infecção por VSR, p<0.01) e corticoterapia sistémica (em 55.3% das crianças com VSR e 21.0% das restantes crianças, p=0.0001).

A prescrição de antibióticos foi mais elevada nas crianças sem dificuldade respiratória (45.5% das crianças com dificuldade respiratória e 64.3% das restantes crianças, p<0.001). A maioria das crianças com antecedentes de sibilância recorrente apresentava dificuldade respiratória na admissão (91.9%, p<0.0001). Não se encontrou qualquer associação entre prematuridade e dificuldade respiratória ou duração do internamento e isolamento de vírus nas secreções respiratórias.

Discussão: Nas infecções respiratórias na infância com necessidade de internamento destaca-se a preponderância de infecções por VSR, com padrão sazonal típico (com pico de incidência nos meses de Inverno) e o maior risco de internamento em infecções por VSR abaixo dos 6 meses de idade.

Palavras-chave: vírus respiratórios; sibilância; internamento.